Rácios de Gestão Empresas

Actualizado em

Os Rácios são indicadores que dão aos empresários e outros interessados, informação sobre o desempenho e evolução dos negócios.

Os rácios estabelecem relações entre as contas das demonstrações financeiras, Balanço e Demonstração de Resultados, para quantificar factos, detectar anomalias, e fazer comparações no tempo.

Existem inúmeros rácios que podem ser aplicados às empresas, no entanto os mais usuais são os rácios económicos e os rácios financeiros, de grande utilidade no controlo de gestão, na quantificação e estimativas de riscos nos negócios, na concessão e análise de créditos.

Das entidades externas às empresas, os bancos são as que mais analisam rácios, mas também entidades estatais como o caso do IAPMEI  para certificação de PME Líder.

Os rácios permitem analisar a evolução e o desempenho financeiro de uma empresa em diferentes perspectivas, desta forma deverão existir alguns cuidados, tais como:

  • Deverão sempre ser analisados em conjunto com outros rácios e rubricas;
  • Ter em conta o tipo de empresa e o sector de actividade da empresa em análise.

Rácios Económicos

Pretendem analisar acontecimentos do foro económico, estrutural e sua evolução no tempo.

Rácio da Rendibilidade das vendas – Esta relação entre o resultado líquido e as vendas do período em análise, mostra-nos o lucro obtido por cada unidade monetária vendida. Interessa também comparar o resultado obtido com os capitais investidos que lhes deu origem.

Rácio da Rendibilidade dos Capitais Próprios – Este rácio permite ao investidor concluir se a rendibilidade do capital investido está ao nível expectável do investidor e comparar com as alternativas existentes no mercado.

Prazo Médio de Recebimentos – Esta relação mostra-nos o tempo médio necessário para receber dos clientes. Este indicador deverá ser inferior ao prazo médio de pagamentos para equilíbrio da tesouraria. Um rácio alto é em termos financeiros desfavorável, mostrando ineficiência nas cobranças ou falta de poder negocial com os seus clientes. Este rácio deverá ser comparado com os rácios da concorrência.

Prazo Médio de Pagamentos – Esta relação mostra-nos o tempo médio utilizado pela empresa para pagar aos seus fornecedores. Um valor baixo deste indicador pode querer dizer que a empresa tem fraco poder negocial perante os fornecedores. Por outro lado um valor demasiado alto pode querer dizer que a empresa está com dificuldades em cumprir as suas obrigações. Este rácio deverá ser comparado com os rácios da concorrência.

Prazo Médio de Stocks – É um rácio que mostra o tempo médio de stockagem dos produtos, quanto menor é este indicador maior é a rotatividade do stock, e deverá ser um objectivo de gestão a redução de permanência de stocks, tempo é dinheiro.

Rácios Financeiros

Pretendem revelar informação que se relaciona exclusivamente com aspectos financeiros, por exemplo analisar a capacidade de endividamento, a solvabilidade da empresa entre outros.

Rácio de Endividamento – É um rácio muito utilizado para a análise de crédito e no Crédito Consolidado, pois compara o nível de dívida que a empresa contraiu para financiamento da sua actividade, ou nos casos de particulares o valor de dívida com os rendimentos obtidos. Um rácio demasiado alto pode inviabilizar pedidos de financiamento bancário ou Consolidação de Créditos, uma vez que o risco é maior.

Rácio de Recuperação de Dívida – Este rácio muito utilizado pelos analistas de crédito, é uma estimativa do tempo necessário para a empresa poder pagar as suas dívidas. O Auto-financiamento é a soma dos resultados líquidos com as amortizações e provisões.

Rácio de Liquidez Geral – É um rácio utilizado na concessão de Créditos de Curto Prazo, sendo o activo circulante o que a empresa transforma no prazo inferior a um ano em dinheiro, e o passivo circulante o que a empresa tem de pagar nesse mesmo período. Pode-se dizer que a empresa está em equilíbrio financeiro de Liquidez quando este rácio é superior a 1, ou seja o valor pago é inferior ao valor recebido.

Rácio de Solvabilidade – Este rácio apresenta a capacidade da empresa em solver as suas dívidas. Um valor superior a 1 significa que o património da empresa é suficiente para cobrir todas as suas dívidas, por outro lado um valor inferior a 1 significa que a empresa não tem meios próprios para satisfazer toda a sua dívida.

Rácio de Autonomia Financeira – Este rácio expressa a participação do capital próprio no financiamento da empresa, pode-se dizer que um valor inferior a ⅓ significa uma dependência excessiva de capitais alheios, por outro lado valores superiores a ⅓ representa um bom grau de autonomia financeira.

Receba novos Artigos no seu e-mail

Colocar email

4 Responses

  1. João diz:

    Boa tarde,

    No rácio de PMR, o total de vendas com IVA é referente aos últimos 12 meses ou só das vendas do próprio mês?
    Ou seja, a formula deve ser: Saldo dos clientes (final do mês)/ Vendas do mês ou dos últimos 12 meses?

    Obrigado

  2. Luisa Santos diz:

    Empresa com prejuízos pode se calcular Racios de Rendabilidde das vendas e outros racios

Leave a Reply to Carlos Pais Cancel reply